Esqueça toda esse lance de ir de trem, Trilha Inca ou Trilha Salkantay, agora eu vou te apresentar uma forma bem roots de se chegar até Machu Picchu, que é de ônibus + van + táxi + caminhada, sejam bem vindos a “Rota Hidrelétrica”.

Machu Picchu, a cidade Inca que não é mais tão perdida assim devido ao intenso fluxo de turistas todos os dias e com a propaganda feita pela nova novela da Globo (Amor à Vida) o fluxo aumenta mais ainda.

O sitio arqueológico é protegido e o limite de visitas por dia são de 400 pessoas, 200 na parte da manhã e 200 na parte da tarde, mas não vim aqui para falar de Machu Picchu mas sim de uma forma alternativa de se chegar até lá. Basicamente quem vai de mochilão quer economizar ao máximo, porém conhecendo tudo, então essa é uma forma aceitável para um mochileiro.

Vamos dividir essa rota em 4 momentos para melhor explicar.

Momento 1 – Ônibus

Machu Picchu por Santa Teresa (1)O primeiro passo começa ainda em Cusco no Terminal Terrestre, esse é o nome da estação de ônibus da cidade. Chegando lá você irá procurar o ônibus que vai até a cidade de Santa Maria, a passagem é bem barata e não tem mistério. O ideal é que você compre apenas a ida, pois para voltar você pode não chegar no horário. Essa viagem dura cerca de 6 horas em um ônibus bem “confortável”, então é bom levar algo para comer, música para ouvir ou um livro para ler, apesar da paisagem ser de tirar o folego, com o passar do tempo se torna cansativo.

Nessa viagem eu aconselho ir na janela, não só para fotografar, mas essa rota é usada por muitos nativos, até sentado no corredor do ônibus e em pé eles vão e alguns não tem um odor muito bom, se é que me entende… na verdade o trem fede mesmo e não há muito o que fazer, tem que aguentar, mas nada que vá destruir seu dia.

Com o passar da viagem o ônibus vai parando em alguns lugares e sobe um monte de ambulante vendendo comida, mas elas não se contentam com umas coxinhas ou salgadinhos não, no meu ônibus entraram com uma bandeja com um porco assado cheio de óleo dentre outras guloseimas de entupir as veias. Eu não comprei porque fiquei com medo de uma infecção, mas isso depende muito, em outros lugares comi comida de rua e não morri.

Depois que o ônibus chega em Santa Maria dá até um alivio. Lembrando que Santa Maria é muito pequena e não tem algo que se possa chamar de “rodoviária” mas sim um terreno baldio, fique atento porque nele o motorista para e você tem que descer, se não descer o motorista segue viagem e você vai parar não sei aonde.

Machu Picchu por Santa Teresa (2)

Foto: Chad Memmel / www.chanatrek.com

Momento 2 – Van

Machu Picchu por Santa Teresa (3)A segunda parte é a da Van. No lugar que o ônibus parar vai estar cheio de vans e carros que levam até a hidrelétrica, o valor também não é muito caro.

Nessas vans cabem mais ou menos 8 pessoas, mas elas vão com umas 15, todo mundo muito apertadinho passando pelos desfiladeiros, porque se cair, cai todo mundo junto (risos). A estrada de mão única de mais ou menos 1 hora e meia que leva até a hidrelétrica é na beira de um abismo, ou seja, muito perigoso, principalmente quando vem um carro na contra mão, daí as manobras para dois carros passarem são muito arriscadas, você provavelmente terá alguns mini ataques do coração quando olhar pro lado na janela e não ver terra firme, mas isso passa.

Algumas vans vão direto a hidrelétrica e outras vão até a cidade de Santa Teresa e de lá deve-se tomar outra van até a hidrelétrica. Bom, depois de pegar a van e de provavelmente ter que empurra-la algumas vezes para pegar no tranco você chegará a hidrelétrica, lá vai ter um monte de vans e de turista que fazem o mesmo caminho, você vai assinar um livro de entrada e seguir o seu rumo a pé.

Machu Picchu por Santa Teresa (4)

Foto: Chad Memmel / www.chanatrek.com

Momento 3 – Caminhada

Machu Picchu por Santa Teresa (6)A caminhada.. bom ela é feita seguindo os trilhos do trem, foi o que eu fiz, mas 5 minutos de caminhada os trilhos acabavam… pronto, estava perdido, até que descobri que não são os trilhos da parte de baixo e sim os da parte de cima, isso porque você tem que subir um morro, até que alto e inclinado, para chegar nos trilhos que estão lá em cima, e não tem nenhuma placa de indicação, mas como tem muita gente fazendo essa rota o caminho já deve estar marcado.

Chegando na parte de cima você vai caminhar até suas pernas andarem por conta própria, é uma paisagem bem bonita, na beira do Rio Urubamba, mas bem cansativa, até demais, do tipo de caminhada que você anda, anda e anda, mas nunca chega. Nessa parte é bom ter cuidado com trem, afinal, você está caminhando na reta dele e também ficar atento a enchentes, ir em período de chuvas pode ser ruim, o Rio Urubamba enche e cobre o caminho inteiro. Depois de umas 2 horas e meia você finalmente chega a Aguas Calientes e completa seu ciclo de 10 horas viajando que nem um louco. Depois que chegar em Aguas Calientes é só resolver os tramites para subir a Machu Picchu.

Machu Picchu por Santa Teresa (5)

Foto: Leonardo Lima

Momento 4 – A volta

Machu Picchu por Santa Teresa (7)Não achou que era só ir né, tem que voltar também. Nela você vai fazer todo o caminho de volta pelos trilhos do trem até chegar na hidrelétrica, só de pensar em voltar aquilo tudo da uma preguiça mas a volta é bem mais rápida do que a ida.

Quando chegar na hidrelétrica provavelmente não haverá nenhuma van ou carro, isso é quase certeza, pois as vans não esperam ali, no caso você tem que esperar ela trazer alguém e aproveitar para voltar junto. Assim que chegar uma você tem que pegá-la para não ficar ali no meio do nada perdendo tempo, essa van te leva até Santa Teresa ou Santa Maria, vai depender da boa vontade do motorista, mas seu destino final é Santa Maria pois é de lá que saem os transportes para Cusco.

Chegando a “rodoviária” de Santa Maria provavelmente você não encontrará nenhum ônibus, pois eles só passam em determinados horários, mas vai haver muitas vans para Cusco e o jeito é voltar de van e lotada de gente. A volta de van normalmente era para demorar o mesmo tanto da ida, cerca de 6 horas, mas eu não sei como os motoristas conseguem estender a volta em até 10 horas, sério mesmo, quando estava voltando achei que não chegaria mais e já ficava enjoado naquelas estradas cheias de curvas.

Depois de muitas horas de estrada você finalmente chegará há uma cidade e vai pensar que é Cusco mas não é, acho que eles fazem isso só pra enganar o povo, tem que rodar mais ainda até Cusco, onde geralmente o ponto final é a Plaza de Armas.

Machu Picchu por Santa Teresa (9)

Foto: Leonardo Lima

Resumindo bem é uma rota bem “sofrida” mas que eu não me arrependo nenhum pouco de ter feito e se voltar a Machu Picchu algum dia farei por essa rota novamente.

Machu por Santa Teresa é pra quem se recusou a pagar mais de US$70,00 pra pegar aquele trem sem graça.

Pra quem gosta de aventura e quase morreu do coração a cada abismo, deslizamento e/ou enchente no caminho!

Pra quem andou em vans como essa da foto, que não tinha 1ª marcha nem Ré.

Pra quem empurrou a van pra pegar no tranco.

Pra quem ficou com medo quando vinha um caminhão na estrada de mão única na beira do abismo.

Pra quem pegou Van que demorou mais de 15 horas num percurso que geralmente se gastaria 5 horas.

Pra quem tem história pra contar!

Comente pelo Facebook

comentários