Já comentei aqui no blog como são as trilhas de El Chaltén na Patagônia Argentina. Em especial, um dos trechos mais bonitos é o Trekking ao Monte Fitz Roy e a Laguna de los Tres, uma das montanhas mais belas da região. Dessa forma decidi criar esse post para detalhar melhor e também deixar as pessoas mais atualizadas sobre essa linda trilha.

O que é o Fitz Roy?

Fitz Roy uma montanha da região da Cordilheira dos Andes e que está localizada na parte da Patagônia Argentina tendo El Chaltén como cidade mais próxima. A montanha com certeza é uma das mais belas da região, pois é composta de grandes pilares verticais, o que torna o Monte Fitz Roy uma das montanhas mais difíceis de se escalar no mundo, devido a a grande necessidade de técnicas nos grandes paredões. Apesar dos singelos 3.375 metros de altitude o Fitz Roy já tirou a vida de muitos alpinistas como a do brasileiro Bernardo Collares que morreu em 2011 na montanha. Apesar de tudo a combinação de elementos naturais da região fazem com que o lugar forme um dos mais belos cenários de toda a patagônia.

Como chegar em El Chaltén?

Você pode chegar em El Chaltén saindo de El Calafate de ônibus. As passagens são vendidas direto no terminal rodoviário de El Calafate ou através do site Plataforma 10 e custam em torno de AR$550,00, mais que o dobro de 2 anos atrás devido a situação econômica da Argentina.

Qual trilha pegar?

Existem duas opções de ida, a primeira é pela trilha normal, no qual você vai e volta pelo mesmo caminho, porém no trecho da ida é muita subida, então pode ser um pouco mais desgastante.

A segunda opção é fazer a ida por um caminho alternativo e que sai da Hosteria El Pilar que fica um pouco longe do centro de El Chaltén, para chegar lá é preciso de um transfer que deve custar em torno de AR$50,00. De lá a trilha segue por um caminho mais “estável” até o acampamento Poicenot, ponto onde as duas trilhas se encontram e se tornam uma só até a base da montanha. Neste caso podemos fazer a ida por uma trilha e a volta por outra, tendo 2 vistas completamente diferentes.

O trekking ao Fitz Roy e Laguna de Los Tres

Bom, o trekking ao Fitz Roy não nos põe a riscos tão grandes quanto o de escalar a montanha, mas exige um baita de um esforço. Ao todo são 25km de trilha ida e volta com um desnível de até 750 metros em alguns pontos, sendo o mais avançado na última subida e que passa por diversos acampamentos.

O dia amanheceu bem nublado, mas mesmo assim peguei um transfer comprado em um hostel em El Chaltén e fui para a Hosteria El Pilar. Cerca de 10 minutos de carro chegamos ao local, na verdade nem entramos na Hosteria, o motorista nos deixou na estrada e nos indicou onde a trilha começava, logo pulamos a cerca da hosteria e começamos a caminahr com aquele clima muito instável.

Como ainda não é um trecho muito procurado pelos “trilheiros” e pelo fato de estava chovendo e ventando muito a trilha estava meio apagada, portando nos perdemos um pouco, chegamos a caminhar até dentro de um rio que estava meio seco. Posso dizer que perdemos uns 30 minutos ali, no meio do nada e sem um sinal de vida até que encontramos uma plaquinha informando para que lado era a trilha.

Depois desse momento a trilha segue com muito mais facilidade. As vezes com leves subidas e descidas, mas tudo de fácil acesso. Caminhando dentro da mata em alguns minutos saímos em uma grande clareira de onde é possível ter uma visão panorâmica do Glaciar Piedras Blancas, uma das mais famosas geleiras da região. Dali em diante a trilha ficava mais aberta, passamos por um grande vale patagônico, sempre com o Glaciar ao horizonte, depois de um tempo de caminhada chegamos ao acampamento Poicenot, um dos diversos que existem na região para as pessoas que curtem camping. Todos os campings de El Chaltén tem uma certa estrutura, ou seja, rios que você pode beber a água, espaços próprios para armar barraca e lugares indicados para “ir ao banheiro”. Ali foi uma rápida parada para descansar e comer algo.

Agora é que o caminho começa a ficar sério, pois depois do acampamento e atravessando o rio é onde há uma subidinha bem punk. No começo parece uma ladeira normal, você faz dentre as árvores, depois a vegetação começa a ficar rasteira, começam a aparecer um monte de pedras, algumas soltas e a ladeira se torna uma subida bem vertical. Ao todo são quase 2km com desnível de 450 metros, ou seja, bem cansativo, principalmente para um sedentário igual a mim. Subir com a mochila nas costas era completamente exaustivo, era difícil de puxar o ar, aconselho muito a levar um bastão de caminhada.

O clima não estava ajudando muito, sempre nublado e chuviscando até que em determinado momento no meio da subida o sol resolveu aparecer e honrar a nossa capacidade de estar ali. Aceleramos um pouco o passo e por fim, após 5 horas de caminhada conseguimos chegar a base da montanha, com um céu azul e ensolarado para termos aquela maravilhosa visão da Laguna de Los Tres e ter a sensação de como somos pequenos nesse mundo.

5 horas de caminhada para uma parada de 5 minutos lá em cima, a dona natureza foi rigorosa no time, e logo escondeu o sol dentro das nuvens, mas nesse momento eu já tinha feito boas imagens do lugar. Não tive nem palavras pra expressar o meus sentimentos ali, apenas fiquei calado e observei. Já fiz diversos trekkings, mas com certeza o do Fitz Roy e Laguna de Los Tres foi o mais bonito em minhas lembranças.

Comente pelo Facebook

comentários