Home»Entrevistas»Entrevista com Carol Moreno: A Volta ao Mundo do Mochilão Trips

Entrevista com Carol Moreno: A Volta ao Mundo do Mochilão Trips

0
Shares
Pinterest Google+

A Volta ao Mundo é um sonho cobiçado por muitos, sejam eles viajantes ou não. Diversas pessoas ao redor do mundo a fazem, inclusive muitos brasileiros, o que nos leva hoje até Carol Moreno, publicitária e blogueira no Mochilão Trips.

Há mais de 9 meses na estrada Carol vem descobrindo e conhecendo vários lugares interessantes nesse mundão e relatando tudo no seu blog e fanpage no face, cada foto mais incrível que a outra. A blogueira trabalhou e guardou dinheiro por 3 anos para poder realizar essa empreitada.

E como eu adoro pessoas com histórias e viagens inspiradoras, não podia deixar de realizar uma entrevista com a Carol aqui no blog. Confira abaixo:

TLDC: Dar a volta ao mundo é um projeto bem audacioso. Porque você decidiu realizar essa empreitada e o que ela significa para você?

Carol Moreno: É um sonho que sempre tive. E a cada ano que viajava nas férias, conheciam pessoas que estavam fazendo uma trip assim. Aí comecei a guardar dinheiro e finalmente resolvi chutar o balde e partir pra realizar esse grande sonho!

TLDC: Do que você teve que abrir mão aqui no Brasil para realizar esse sonho?

Carol Moreno: Larguei o meu emprego pra poder fazer essa trip. Não é uma decisão fácil, porque você nunca sabe como vai ser quando voltar. E abri mão de estar perto da família e dos amigos durante um ano todo também, né!

Trekking ao Base Camp do Annapurna no Nepal. Foto: Arquivo pessoal de Carol Moreno
Trekking ao Base Camp do Annapurna no Nepal. Foto: Arquivo pessoal de Carol Moreno

TLDC: Como você fez e em quanto tempo conseguiu arrecadar a quantia necessária para realizar essa volta ao mundo? Foi muito difícil?

Carol Moreno: Eu economizei por três anos, reduzindo tudo que podia nas despesas e guardando dinheiro todo mês. Também vendi meu carro, pra completar a grana. Não foi muito fácil, mas acho que é uma questão de organização e de ter uma meta clara – vale a pena deixar de comer fora em restaurantes ou quase não comprar roupas/coisas pra poder fazer uma viagem assim, né!

TLDC: Qual foi a reação dos seus amigos e familiares quando disse que ia viajar pelo mundo sozinha?

Carol Moreno: A maioria ficou em estado de choque… rs… Alguns disseram que já imaginavam que um dia eu faria isso. Minha mãe queria me matar, não entendia porque eu ia viajar por um ano, e não por 6 meses!

TLDC: Todos os destinos que você já passou e que irá passar foram previamente planejados ou você decide para onde vai no decorrer da sua viagem?

Carol Moreno: Fiz um rascunho de um roteiro, mas já mudei ele completamente! Haha… Vou decidindo pra onde vou durante a viagem, conforme as dicas das pessoas que vou conhecendo pelo caminho. A Indonésia, por exemplo, não tava no roteiro e acabei indo pra lá, de tanta gente me falando bem e me sugerindo ir pra lá! E valeu muito a pena! Outros lugares, como Israel, vão ter que ficar pra uma próxima vez, com a situação atual…

Navagio "Shipwreck" na Grécia. Foto: Arquivo pessoal de Carol Moreno.
Navagio “Shipwreck” na Grécia. Foto: Arquivo pessoal de Carol Moreno.

TLDC: Economizar em viagens longas é bom para evitar perrengues. Você controla bem o seu dinheiro para não extrapolar seu orçamento? Já ficou na mão em algum momento por causa do dinheiro?

Carol Moreno: Controlo na ponta do lápis! Ou melhor, na planilha do Excel! Rs… Tenho tudo anotadinho, pra não me perder e gastar mais do que devo. Se acabo gastando muito em um dia ou em um lugar, nos próximos aperto o orçamento e reduzo o ritmo de viagens, pra conseguir economizar e voltar pro budget. Não cheguei a ficar na mão, tá tudo sob controle, ainda bem!

TLDC: Por falar em perrengue, durante sua viagem eu imagino que você já tenha passado por alguns. Qual e como foi o maior perrengue dessa trip?

Carol Moreno: Já tive vários mesmo! O perrengue ultimamente tem sido constante por causa dos preços altíssimo da Europa. Comecei a viajar de carona e a acampar por conta disso, e na primeira vez em que fui pegar carona, andei mais de 4 horas com a mochila nas costas embaixo do solão até achar um bom lugar pra pedir carona até onde eu ia… Também já dormi ao relento, só com saco de dormir, por duas noites, antes de finalmente comprar uma barraca pra pelo menos ter um teto!

TLDC: Ainda existem sociedades bem machistas ao redor do mundo. O fato de você ser mulher e estar viajando sozinha foi algum problema em algum momento?

Carol Moreno: Na maioria dos lugares não tive problemas, mas na Índia foi onde senti a maior dificuldade. Lá eu me vestia como indiana, sem mostrar pernas nem ombros, mas mesmo assim os homens me encaravam sem parar, de um jeito bem constrangedor, e algumas vezes até passavam a mão na minha bunda! E o pior é que nem adiantava reclamar ou fazer escândalo, porque todo mundo te olha como se a louca ou errada fosse você… Lá eu nem saía do hotel à noite, pra evitar possíveis problemas! Mas nada de grave aconteceu, só essas situações chatas que comentei aí. E tirando isso, gostei muito da Índia!

Atravessando o Rio Ganges na Índia. Foto: Arquivo pessoal de Carol Moreno.
Atravessando o Rio Ganges na Índia. Foto: Arquivo pessoal de Carol Moreno.

TLDC: Até o momento, qual foi o país que você visitou que mais mexeu com você e que você aconselharia outras pessoas a visitarem? E qual aquele que você pensou: “puts, não devia ter vindo para cá”?

Carol Moreno: Pois é, foi a Índia! Rs… É um país muito contraditório, muito intenso, onde tudo é muito. Muito cheio de gente, com comida muito apimentada, com muita pobreza, muito barulhento, mas ao mesmo tempo muito zen, muito colorido, muito interessante! A cada dia eu passava por uma experiência doida, não teve um dia em que nada de diferente aconteceu! Não dá pra ir pra lá e não sair mudado, é incrível. Mas não acho que seja um lugar pra todo mundo visitar, tem que ir pra lá se tiver a cabeça muito aberta e espírito de aventura! Rs…
Felizmente não tenho nenhum país pra onde fui e realmente não gostei. Algumas experiências foram meio fortes, como quando visitei o Killing Field do Camboja (campo de concentração onde mataram milhões de pessoas há menos de 40 anos). Acho que é uma visita importante, mas fiquei bem mal de ver e sentir tudo aquilo…

TLDC: Viagens sempre acrescentam valores a nossas vidas, quebra paradigmas, preconceitos e tabus. O que a Volta ao Mundo está acrescentando de aprendizado na sua vida?

Carol Moreno: Muitos! Uma viagem dessas abre a tua cabeça, amplia a tua forma de ver as coisas. Você para de ficar achando que só existe uma forma de pensar, que isso é certo e aquilo é errado. Aumenta muito a tua capacidade de aceitação daquilo que você não pode mudar, e também a tua paciência (porque tem coisas que só dá pra aturar com muita paciência! Rs…). E, como diz o Mark Twain, te livra completamente de qualquer preconceito!

TLDC: Quais são seus planos após o término da Volta ao Mundo? Pretende retomar a vida normal no Brasil e sofrer com uma possível DPV (Depressão – Pós Viagem) ou já tem outras viagens agendadas por ai?

Carol Moreno: Ainda não sei o que vou fazer. Posso tentar voltar a trabalhar na área de Marketing, que era o que eu fazia há anos já, mas não sei como vai ser isso depois de fazer uma viagem dessas e mudar tanto! Pode ser que eu mude completamente o rumo das coisas… Aguardem novidades… rs…

Tailândia. Foto: Arquivo pessoal de Carol Moreno.
Tailândia. Foto: Arquivo pessoal de Carol Moreno.

TLDC: Muita gente tem de vontade de fazer uma viagem tipo a sua, mas tem de medo, medo de largar tudo sem saber o que o futuro reserva. Que recado você daria para essas pessoas?

Carol Moreno: Eu diria que medos todos temos. O medo de largar o emprego e não conseguir algo quando voltar é algo claro. Mas pra mim, o medo de ficar velha e depois ficar reclamando que não realizei meus sonhos enquanto podia, sempre foi muito maior do que o medo de passar um tempo desempregada! Claro que depende da situação de cada um, mas se você conseguir se organizar pra guardar dinheiro pra fazer uma viagem dessas, meta as caras e vá! As experiências que você tem, as pessoas que você conhece e tudo que você aprende, não tem preço, e vão ficar eternamente com você! É único!

E eu queria agradecer a Carol por ter conseguido um tempinho na sua volta ao mundo para essa entrevista pro Tô Longe de Casa. Quem quiser conhecer mais é só acessar o Mochilão Trips.

Comente pelo Facebook

comentários

Post anterior

O que fazer em caso extravio de bagagem?

Próximo post

O que comi por ai: Camarão da Malásia de Santo Amaro

3 Comments

  1. JOICE BERNARDO
    24 de setembro de 2014 at 16:54 — Responder

    To indo em janeiro…Tb vou passar um ano. Infelizmente a Índia ta fora do roteiro por falta de segurança. O Egito Tb foi excluído por causa do assédio comum dos egípcios com as mulheres desacompanhadas. Vou arriscar o Marrocos, mas com cuidado.

    • 24 de setembro de 2014 at 21:31 — Responder

      Que legal Joice!! Boa Viagem e depois conta aqui como foi!

  2. 12 de janeiro de 2015 at 22:44 — Responder

    […] – Blog Tô Longe de Casa – set/14 […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *