Para alguns a principal barreira em viajar é o idioma, para outros e o orçamento e para a maioria é a companhia. O que eu recebo de e-mail de pessoas que querem saber como é viajar sozinhas ou se lamentando por terem desistido de uma viagem… fico triste!

O Primeiro passo é o Mais difícil

Por experiência própria eu digo que o primeiro passo é o mais difícil em embarcar numa viagem sozinho, ainda mais se ela for para o exterior. Para viajar sozinho é preciso analisar diversos fatores, principalmente a personalidade de quem vai fazer essa viagem. Se você é uma pessoa extrovertida, alto astral, pode ir sem medo que eu garanto que não vai passar problemas, já se você é uma pessoa tímida, vergonhosa e tem medo de falar com outras pessoas, meu amigo, te digo que é capaz de você entrar numa depressão no seu quarto de hotel, então é bom se socializar mais com as pessoas antes de embarcar numa dessas. Eu costumo dizer que só vai estar sozinho em uma viagem quem quiser, isso por quê a quantidade de pessoas que temos oportunidade de conhecer por estarmos sozinhos é bem maior do que quando se viaja acompanhado, pois dessa forma você se limita mais aos seus amigos e esquece do resto. Eu já conheci muitos lugares viajando desacompanhado e em nenhum deles eu passei se quer um dia sem conhecer e interagir com alguém, sempre aparecia gente para tomar uma cerveja, comer uma pizza, fazer um passeio e conversar sobre a vida. É bom ter em mente que a boa parte das pessoas que viajam ou fazem mochilões estão sozinhas e querem conversar também.

“Ah mas viajar sozinho(a) é perigoso Leonardo, por isso não vou!”. Alô-ou, você mora no Brasil, tirando países em conflitos, você não vai ter problemas com relação a isso! A nossa grande Pátria Amada nos ensinou muito bem e desde pequenos a lidar com a violência, e na boa, não vai ser o seu amigo(a) que vai impedir de te assaltarem ou baterem sua carteira na rua. Perrengues em viagens você vai ter indo até para o país mais seguro do mundo. Se serve de estímulo, a minha amiga Carol Moreno do blog Mochilão Trips está dando a volta ao mundo, já está há mais de 6 meses na estrada sozinha.

A primeira vez viajando sozinho

A minha primeira viagem sozinho não foi planejada. Eu e uma prima minha havíamos comprado passagens para visitar Foz do Iguaçu, até então eu nunca havia viajado só. Quase perto da viagem ela me diz que não ia mais, por quê teria que fazer uma prova para concurso público no dia da viagem, eu fiquei bem aflito, por quê não conseguia ninguém para ir no lugar dela. Determinado dia eu parei e pensei comigo mesmo; Por que iria deixar de fazer o que gosto por ações outros? O que vale é a minha vontade ou a de outra pessoa?

Fui sozinho e aproveitei muito!

Fui sozinho e aproveitei muito!

(imaginem agora a música Wake Up – Arcade Fire ao fundo) Na mesma hora eu levantei do sofá, fiz meu check-in na internet e comecei a elaborar o meu roteiro. Vi absolutamente tudo, linhas de ônibus, valores dos parques, previsão o tempo, endereços, nomes das ruas (Google Street View está ai para isso), hospedagem e tudo mais. Reservei o que tinha para reservar, comprei o que tinha que comprar e naquela sexta feira de fevereiro estava eu embarcando para Foz do Iguaçu sozinho.

Confesso que fiquei bem apreensivo, via grupinhos de amigos rindo e falando alto e me sentia sozinho, mas aquilo foi passando, quando tive que entrar de mochila e tudo em uma linha de ônibus convencional e que estava lotada. O ônibus me levaria até o centro da cidade onde de lá eu teria que ir andando e foi dentro do ônibus mesmo que conheci a primeira pessoa, uma mulher que viu a minha mochila e quis saber se era boa, conversamos a viagem inteira até eu descer.

No meu albergue eu conheci muita gente. Só com a dona dele eu passei horas trocando ideias de viagem. Tomei umas caipirinhas com uns franceses na piscina, conheci um peruano que também viajava só, um polonês que dividiu quarto comigo e mais 3 coreanos, além de um casal do nordeste brasileiro que estavam viajando pelo Brasil de carro. Sem falar das pessoas que conheci nos pontos turísticos da cidade. Entre um “Hi, you can take a picture for me” e um “Você pode me dizer onde fica esse endereço” eu conheci muita gente. Fiz metade do percurso das Cataratas acompanhado de uma coreana, em Itaipu eu conheci um brasileiro, fui ao Marco das Três Fronteiras com uma família brasileira e no Parque das Aves foi a vez de trocar ideia com um alemão que inclusive estava no mesmo voo que o meu na volta. Viajar sozinho te deixa mais aberto a fazer novas amizades. Você é o dono do seu tempo, faz e vai aonde quiser e na hora que quiser, sem pressão e sem pressa. Isso me deu outra perspectiva de viagem, de lá pra cá eu já viajei bastante sozinho e hoje eu até prefiro ir dessa forma, não que eu não goste de viajar acompanhado, até vou, mas ir sozinho é mais especial. Não tenha medo de dar as caras no mundo sem um amigo do lado, eu tenho certeza que você fará bem mais amigos pelo caminho do que imagina. Por isso siga em frente, faça seu roteiro, pesquise na internet, compre sua passagem e vá sem medo, você verá que pode ser uma das melhores viagens da sua vida.

Comente pelo Facebook

comentários