0
Shares
Pinterest Google+

Portugal é um país lindo, especialmente no que diz respeito a praias. Muita gente acha que para encontrar aquelas praias paradisíacas você precisa ir até ao sul do país na região do Algarve, mas poucas pessoas sabem que ali mesmo perto de Lisboa é possível achar lugares mágicos.

Um desses lugares é a Praia Ribeira do Cavalo. Há menos de 1 hora de Lisboa o local ainda é pouco explorado pelo turismo devido ao seu difícil acesso, mas que aos poucos vem sendo procurado por mais pessoas.

Praia Ribeira do Cavalo
Praia Ribeira do Cavalo

A Praia Ribeira do Cavalo

A Praia Ribeira do Cavalo é uma praia deserta localizada há cerca de 40km de Lisboa. Isso significa que não vai encontrar nada lá além da natureza bruta. O difícil acesso faz com que ambulantes fiquem longe e ao mesmo tempo que não hajam salva vidas ou qualquer outro tipo de facilidade para os banhistas.

O único acesso se dá por terra através de uma caminhada de 20 minutos a partir do ponto inicial da trilha ou de barco partindo do porto de Sesimbra, cidade mais próxima do local. Apesar da dificuldade o esforço é compensado ao chegar lá.

Como chegar a Praia Ribeira do Cavalo?

O ponto de partida claro é Lisboa. Na capital portuguesa você precisa pegar um ônibus da Praça de Espanha até Sesimbra, a cidade mais perto da praia. A empresa que faz esse trajeto é a Transportes Sul do Tejo e as linhas que ligam Lisboa até Sesimbra são as 207 e 260. O bilhete do ônibus custa em torno de €4,00 e são uns 40 minutos de viagem.

Chegando em Sesimbra há 2 opções de chegar a praia. A primeira dela é caminhando desde a estação até o começo da trilha que leva até a praia. Esse trajeto leva uns 40 minutos. A segunda opção é tomar um ônibus circular da estação de Sesimbra e descer no Farol Forte do Cavalo e de lá caminhar 20 minutos até o começo da trilha.

A trilha até a Praia Ribeira do Cavalo

Chegando ao começo da trilha serão mais 20 minutos de caminhada até a praia. Lembrando que essa trilha que leva até a praia é de nível difícil. Tem muitas pedras soltas e alguns barrancos que podem ser perigosos. Nem pense em ir de chinelo. Calçado deve ser algo bem reforçado para evitar torções.

Assim que você sai de Sesimbra e segue a estrada até o começo da trilha você vai encontrar uma placa com algumas informações e um pouco mais a frente na estrada uma barreira para carros.

Se você começar a trilha já ao lado da placa você vai se deparar com um barranco enorme e difícil de descer. Eu recomendo você continuar caminhando pela estrada, pular a barreira e em seguida verá uma trilha no qual não é barranco, então é possível começar a partir dali de uma forma mais fácil.

Posso dizer que os últimos 5 minutos são os mais complicados, já que é uma descida bem íngreme e com muitas pedras soltas, mas depois você já chega direto na praia. Ah e uma dica, não chegue muito perto dos penhascos, dizem que são instáveis e podem cair.

A Natureza Pura

Areia branca, água azul turquesa e que as vezes puxa para o verde, a Praia Ribeira do Cavalo é realmente um paraíso escondido. O local é deserto, mas isso vai depender do horário em que você for. Eu cheguei lá por volta das 9am e fiquei até umas 12pm e até esse momento só havia eu na praia, a partir das 12pm começaram a chegar mais pessoas.

Não é uma praia feita para turistas, pois não há qualquer tipo de facilidade lá. Tendo isso em mente todo cuidado é pouco, bem como não ir para áreas muito fundas ou evitar chegar muito perto dos penhascos, tanto na parte de cima como na parte de baixo. Um resgate ali não seria tão simples.

Bônus: Sesimbra

Sim, e porque não aproveitar que vai passar em Sesimbra e dar uma explorada por lá? A cidade é bem pequena e bem aconchegante com uma extensa faixa de areia branca e com aquela água azul intenso. Caso você não possa ou não queira fazer a trilha até a Praia Ribeira do Cavalo, ir a Sesimbra para pegar uma praia parece ser uma boa alternativa para se livrar das praias cheias de Lisboa.

E então, o que achou dessa dica?

Comente pelo Facebook

comentários

Post anterior

O Grande Templo de Abu-Simbel

Próximo post

O que comi por ai: Pastéis de Nata