0
Shares
Pinterest Google+

Um dos lugares mais visitados em Paris, além da Torre Eiffel, é o grandioso Palácio de Versalhes ou Château de Versailles no francês. Eu pessoalmente estava numa expectativa muito grande de conhecer o lugar. Na primeira vez que fui a Paris havia até comprado o ticket, mas um dia antes eu cai no Museu do Louvre e torci o pé. Por fim tive que voltar a Paris e finalmente consegui visitar o palácio. Resultado: Meio decepcionado.

Um pouco da história

Versalhes é uma espécie de castelo francês localizado há alguns quilômetros do centro de Paris. Projetado pelo arquiteto francês Louis Le Vau e construído pelo Rei Luís XIV em 1664, serviu de local para o poder do antigo regime na França entre 1682 e 1789. Versalhes é considerado uma das maiores construções europeias, ocupando mais de 100 hectares de área. Só a construção possui 700 quartos, 67 escadas, 2153 janelas e por ai vai. Após a revolução francesa de 1837 o palácio foi transformado em museu que temos hoje, sendo visitado por milhões de pessoas por ano.

Como chegar em Versalhes?

Para quem não sabe, o Palácio de Versalhes fica localizado fora de Paris e para ir para lá você precisa de um transporte. A forma mais econômica é ir de trem. A linha de trem que passa em Versalhes é a linha amarela conhecida como RER C, ela passa em diversas estações no centro de Paris e vai para Versalhes, sendo a última estação a do palácio, logo é bem simples ir. O ticket de ida e volta desde a estação Champ de Mars (do lado da Torre Eiffel) é em torno de €7,00 ida e volta. Caso você tenha dúvidas de como andar de metro e trem em Paris é só ver o nosso post sobre Transporte Público em Paris.

Comprando o ticket para o Palácio de Versalhes

Os ingressos para o acesso ao Palácio de Versalhes podem ser encontrados direto no site oficial do local. Lá existem diversos tipos de entradas, os que dão acesso apenas ao palácio, os que incluem os jardins, o passaporte de 2 dias dentre outros. O melhor é escolher o que dá acesso tanto ao palácio quanto aos jardins e ele custa em torno de €18,00.

Caso você não possa comprar online, pode adquirir direto no Palácio de Versalhes. A bilheteria fica em uma portinha quase escondida do lado esquerdo do pátio do lado de fora. Ao comprar o ingresso será preciso pegar uma gigantesca fila do lado de fora para passar pela revista de segurança e só então ingressar no local.

A visita ao Palácio

Depois de passar por toda fila e revista nós chegamos a entrada do palácio. A primeira visão é a fachada da construção, com toda sua arquitetura européia com detalhes em dourado que parecia ouro, tudo muito lindo e o céu azul dava um contraste a mais. Após ver por fora era hora de explorar o interior do palácio, o que me decepcionou um pouco.

Não vou dizer que é ruim, é até bonito, mas acho que a combinação da estrutura para o turista somados a quantidade de turistas me decepcionou um pouco. Logo ao entrar nos deparamos com longos corredores com janelas para os jardins. Ao ir andando pelos corredores nós vamos passando por vários tipo de salas, todas com móveis e aqueles quadros antigos. Algumas dessas salas são bem grandes, outras bem pequenas e o maior problema é que em algumas delas nós não podemos entrar, pois há uma barreira, então o único espaço para estar é o do corredor onde há o fluxo de pessoas, o que atrapalha um pouco para as fotos, pois não dá pra ficar muito tempo parado para olhar.

Mas nem todo o passeio é assim, é possível também passar por dentro de alguns salões gigantes. Um deles é como se fosse um grande corredor com diversos quadros pintados a mão, datados de 1700 ou mais. Porém o salão mais bonito e visitado é a Galeria dos Espelhos, construída em 1678, no reinado de Luís XIV. Na galeria são 17 arcos espelhados que refletem as janelas com a visão dos jardins. Ao todo são mais de 300 espelhos na galeria.

Depois de passar por muitas salas, quase todas iguais, chega a hora de irmos para fora do palácio, chegamos aos Jardins de Versalhes. Lembrando que a área externa do palácio, onde estão localizado os jardins é gigantesca, tão grande que você tem a opção de comprar um ticket de trenzinho ou até mesmo alugar um carrinho de golf para explorar a região.

A construção dos jardins levaram centenas de anos até chegar ao estado que se encontra hoje, uma verdadeira obra de arte que começou a ser trabalhada em 1661. O jardim foi desenvolvido para ter total simetria, então podemos observar longas estradas e linhas retas a perder de vista. Ele conta com vários bosques, fontes, lagos e estátuas típicas francesas. Eu não tinha dinheiro e nem tempo hábil para desbravar todo o jardim, então fiquei ali apenas no comecinho.

Eu esperava algo a mais de Versalhes, não achei essa coisa toda que falam. Eu pessoalmente achei bonito, interessante, mas não acho que deva ser colocado como prioridade ao visitar Paris.

Você já foi a Versalhes? O que achou?

Comente pelo Facebook

comentários

Post anterior

O que comi por ai: Full Irish Breakfest

Próximo post

Paraguai além das compras: 9 motivos para visitar o país