Home»Entrevistas»Entrevista com Leandro Franco: Histórias de um cão cicloviajante e seu humano

Entrevista com Leandro Franco: Histórias de um cão cicloviajante e seu humano

0
Shares
Pinterest Google+

Já ouviu falar de Leandro Franco e Odara? Encontrei a aventura deles e achei um máximo, tanto que vale uma entrevista com ele aqui no blog.

O Leandro é um cineasta e fotografo que nesse período da Copa do Mundo quis fazer diferente. Ao invés de ir a um estádio ou bar para assistir os jogos ele decidiu pegar uma bicicleta e viajar mais de 1200km pelo Uruguai juntamente com sua parceira Odara. Detalhe, Odara é uma cadelinha da raça Border Collie muito linda e que viaja na garupa da bicicleta. Durante a viagem Leandro e Odara acampam em diversos lugares no decorrer do caminho, desde praias desertas até lugares cedidos pela solidariedade das pessoas que eles encontram pelo caminho. Até novos membros já fazem parte da aventura, El Loco, um outro cachorro apareceu do nada e agora segue viagem junto com Leandro e Odara. Toda a aventura é registrada por Leandro e postada em sua página no Facebook, Rastros e Pegadas e em seu perfil no Instagram.

A viagem dele começou no último dia 12 onde ele saiu da capital do Uruguai, Montevidéu, e fez praticamente toda região litorânea do país, agora Leandro e Odara partem rumo ao interior do Uruguai.

Entrevista com Leandro Franco

Confira abaixo a entrevista que ele concedeu pro Tô Longe de Casa:

TLDC: Percebi que a sua aventura tem como base buscar novos horizontes em uma época em que o governo atendeu mais a FIFA do que seu povo. De onde surgiu e qual a mensagem que você deseja passar com essa aventura e a frase “Nos Tire da Copa”?
Leandro Franco: “Nos tire da Copa” surgiu da premissa, se vai ter Copa, então nos tire dela. Pra mim um direito a todos que não estão de acordo com a realização do evento no país, seja por questões políticas, pela supervalorização ou qualquer outra de ordem pessoal ou canina, afinal com os jogos vem os Fogos de Artifícios, e se Odara falasse diria claramente que se apavora com eles.

TLDC: Com quanto tempo de antecedência você se preparou para essa viagem pelo Uruguai? Houve algum motivo em especial para a escolha desse país?
Leandro Franco: A ideia já vinha desde o começo do ano, mas bati o martelo devia ser começo de maio um pouco antes de lançar a campanha de crowdfunding (financiamento coletivo), que apesar de curta e tardia, conseguimos levantar uma quantia fundamental para começar a viajem. O destino uruguaio veio junto com meu interesse pela figura do Mujica e seu estilo de governo, que aparentemente muito humilde representa uma política voltada para os interesses de seu povo e se demonstrando muito sensato mesmo em assuntos mais delicados como a legalização do aborto e da maconha. Os uruguaios, por cultura do povo, sempre me pareceram muito tranquilos e solidários, qualidades essenciais para quem viaja de bike com pouca estrutura. Sei que no Uruguai, como muitos outros países latinos, cultuam muito Futebol, mas baixa densidade demográfica é mais um ponto a favor para quem busca lugares menos barulhentos nessa época.

TLDC: Como a Odara foi parar nessa aventura? Vocês já estão juntos a muito tempo e costumam viajar dessa forma?
Leandro Franco: Odara está comigo desde julho de 2010 quando cabia na palma de minha mão. Fizemos uma viagem similar no começo de 2012, 720kms em 18 dias entre Ubatuba/SP (minha terra) e Ouro Preto/MG, passando pelo Caminho Velho da “Estrada Real”. Foi uma experiência e tanto, depois de um grave acidente de moto e 3 meses sem pisar no chão, para mim foi uma auto afirmação necessária e momentos de introspecção ímpar, e com Odara foi algo surreal, onde praticamente nos fundimos num único ser (humano, cachorro e bicicleta) onde a dependência era mútua e de fidelidade recíproca. Segue o vídeo finalista do concurso “estrada real imagens e poesia”:

TLDC: A Odara é da raça Border Collie, umas das raças mais inteligentes e obedientes de cachorros, além de adorar atividades físicas. Creio que ela deve adorar viajar, porém as vezes pode ser desgastante para o animal. Como é o temperamento da Odara no dia dia? Ela gosta da carona no cestinho da bicicleta?
Leandro Franco: Odara é quem me espera acordar para começar a fazer a festa, fica com aquele sorrisão na cara sabendo que logo vamos partir, pego a bike e ela já pula na caixinha. Não tenho dúvidas de quanto gosta, claro que alguns dias são mais cansativos do que outros, mas quem mais “sofre” fisicamente aqui sou eu mesmo, boto ela para caminhar mais durante as subidas íngremes ou em terrenos muito acidentados, quando geralmente estou em baixa velocidade e isso para ela é um passeio. E como todo exercício físico, o pós é muito gratificante e os prazeres acabam se intensificando, desde o comer até o descansar, para homem e cão (Odara chega a roncar).

TLDC: Você já tinha realizado algum tipo de viagem de aventura ou se inspirou em alguma ou em alguém quando decidiu viajar de bicicleta com a Odara?
Leandro Franco: Os desafios sempre me motivam, gosto do penar ainda mais quando tenho que quebrar alguma regra, talvez por ser muito aquariano (aquário com ascendente em aquário) sou muito teimoso e minha liberdade e independência são qualidades que não abro mão, e olha que não acredito em horóscopos, mas uso como desculpa. Não sei até que ponto fui influenciado, mas figuras como Amyr Klink e lendários como Robinson Crusoé sempre irão inspirar alguém.

TLDC: Como foi a reação de amigos e familiares quando você decidiu fazer essa viagem de bicicleta?
Leandro Franco: Da primeira vez, a maioria achava uma loucura, uns desacreditavam que até que ia começar a viagem, mas isso pra mim é como combustível, os familiares sempre preocupados com o que pode acontecer, mas dessa vez já sabem que eu e Odara nos cuidamos muito bem.

Entrevista com Leandro Franco Entrevista com Leandro Franco

TLDC: A viagem começou recentemente, mas houve algum momento de perrengue que você passou dificuldades ou sentiu medo?
Leandro Franco: A maior dificuldade é justamente começar, depois que começa tudo flui. Os perrengues são os tão almejados desafios que buscamos todos os dias para que tiremos a lição e o medo é o sentido indispensável para que fique alerta em determinadas situações.

TLDC: Você é cineasta e fotografo e vi que você tem planos de lançar um filme após a viagem. Como será o filme? Um relato de viagem ou terá uma mensagem a mais para os espectadores?
Leandro Franco: Nessa trip daria um filme por dia de tão intenso e diversificado que está sendo, a ideia inicial era fazer um crítica sobre a Copa através da perspectiva de minha óptica, mas produzir um documentário fazendo uma viagem pode trazer grandes surpresas. Eis que surge El Loco, um cachorro que nos escolheu e começou a nos seguir desde um posto de gasolina em José Ignácio e, depois de me dar uma lição de força e coragem, pra mim neste momento é a maior razão de estarmos aqui. Talvez a Copa fique só como plano de fundo, talvez nem apareça ou talvez tudo ainda, a viagem nem chegou na metade. É muito difícil registrar tudo que estamos vivendo sem nenhuma equipe de apoio, tem hora que se pensar em pegar a câmera, perco o momento ou o esforço é inviável. Tinha me perguntado das dificuldades, talvez seja fazer muitas coisas ao mesmo tempo, o tempo não para e os dias aqui são curtos. Estou deixando fluir e gravando ao máximo de uma forma que me dê muitas opções de montagem para dar forma ao filme quando estiver na ilha de edição na companhia de meus litros de café quando voltar para o Brasil.

Entrevista com Leandro Franco

TLDC: Eu amo cachorros e até converso com eles às vezes. Você costuma conversar com ela na estrada? Houve algum momento especial e emocional entre vocês dois na viagem?
Leandro Franco: O tempo todo para as duas questões, mas posso destacar quando El Loco após se cansar depois de 55Kms e a parar no meio da estrada, botei Odara pra correr e o brutamontes na caixinha, desengonçado se deslumbrava com a situação e Odara sempre muito ciumenta comigo parecia entender a situação e não se queixou nenhum momento dos 10kms seguintes até a vila de Valizas.

TLDC: Após essa viagem já existe algum outro lugar em que você pensa se aventurar novamente na companhia da Odara?
Leandro Franco: Viajaria o mundo todo assim, mas cada escolha uma renúncia e cada passo de uma vez.

Queria agradecer ao Leandro por ter concedido a entrevista aqui para o blog e desejar bons ventos para ele e a Odara na estrada. Quem quiser conhecer mais sobre eles pode acessar a fanpage do facebook clicando aqui.

Fotos: Arquivo Pessoal de Leandro Franco

Comente pelo Facebook

comentários

Post anterior

Gestos ofensivos ao redor do mundo

Próximo post

Meus gastos na Patagônia! Quanto levar?

2 Comments

  1. Maria
    26 de junho de 2014 at 14:56 — Responder

    Estou extasiada em poder acompanhar essa aventura. Boa sorte para leandro, Odara e El Loco.

    • 26 de junho de 2014 at 20:37 — Responder

      É uma aventura e tanto né Maria? Também estou acompanhando e achando um máximo esse trio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *