Home»América do Sul»Machu Picchu por Santa Teresa

Machu Picchu por Santa Teresa

0
Shares
Pinterest Google+

Esqueça toda esse lance de ir de trem, Trilha Inca ou Trilha Salkantay, agora eu vou te apresentar uma forma bem roots de se chegar até Machu Picchu, que é de ônibus + van + táxi + caminhada, sejam bem vindos a “Rota Hidrelétrica”.

Machu Picchu, a cidade Inca que não é mais tão perdida assim devido ao intenso fluxo de turistas todos os dias e com a propaganda feita pela nova novela da Globo (Amor à Vida) o fluxo aumenta mais ainda. O sitio arqueológico é protegido e o limite de visitas por dia são de 400 pessoas, 200 na parte da manhã e 200 na parte da tarde, mas não vim aqui para falar de Machu Picchu mas sim de uma forma alternativa de se chegar até lá. Basicamente quem vai de mochilão quer economizar ao máximo, porém conhecendo tudo, então essa é uma forma aceitável para um mochileiro.

Vamos dividir essa rota em 4 momentos para melhor explicar.

Momento 1 – Ônibus

Machu Picchu por Santa Teresa (1)O primeiro passo começa ainda em Cusco no Terminal Terrestre, esse é o nome da estação de ônibus da cidade. Chegando lá você irá procurar o ônibus que vai até a cidade de Santa Maria, a passagem é bem barata e não tem mistério, o ideal é que você compre apenas a ida, pois para voltar você pode não chegar no horário. Essa viagem dura cerca de 6 horas em um ônibus bem “confortável”, então é bom levar algo para comer, música para ouvir ou um livro para ler, apesar da paisagem ser de tirar o folego, com o passar do tempo se torna cansativo. Nessa viagem eu aconselho ir na janela, não só para fotografar mas essa rota é usada por muitos nativos, até sentado no corredor do ônibus e em pé eles vão e alguns não tem um odor muito bom, se é que me entende, na verdade o trem fede mesmo e não há muito o que fazer, tem que aguentar, mas nada que vá destruir seu dia. Com o passar da viagem o ônibus vai parando em alguns lugares e sobe um monte de ambulante vendendo comida, mas elas não se contentam com umas coxinhas ou salgadinhos não, no meu ônibus entraram com uma bandeja com um porco assado cheio de óleo, eu não comprei porque fiquei com medo de uma infecção, mas isso depende muito, em outros lugares comi comida de rua e não morri. Depois que o ônibus chega em Santa Maria dá até um alivio. Lembrando que Santa Maria é muito pequena e não tem algo que se possa chamar de “rodoviária” mas sim um terreno baldio, fique atento porque nele o motorista para e você tem que descer, se não descer o motorista segue viagem e você vai parar não sei aonde.

Machu Picchu por Santa Teresa (2)
Foto: Chad Memmel / www.chanatrek.com

Momento 2 – Van

Machu Picchu por Santa Teresa (3)A segunda parte é a da Van. No lugar que o ônibus parar vai estar cheio de vans e carros que levam até a hidrelétrica, o valor também não é muito caro. Nessas vans cabem mais ou menos 8 pessoas mas elas vão com umas 15, todo mundo muito apertadinho passando pelos desfiladeiros, porque se cair, cai todo mundo junto (risos), pois a estrada de mão única de mais ou menos 1 hora e meia que leva até a hidrelétrica é na beira de um abismo, ou seja, muito perigoso, principalmente quando vem um carro na contra mão, daí as manobras para dois carros passarem são muito arriscadas, você provavelmente terá alguns mini ataques do coração quando olhar pro lado na janela e não ver terra firme, mas isso passa. Algumas vans vão direto a hidrelétrica e outras vão até a cidade de Santa Teresa e de lá deve-se tomar outra van até a hidrelétrica. Bom, depois de pegar a van e de provavelmente ter que empurra-la algumas vezes para pegar no tranco você chegará a hidrelétrica, lá vai ter um monte de vans e de turista que fazem o mesmo caminho, você vai assinar um livro de entrada e seguir o seu rumo a pé.

Machu Picchu por Santa Teresa (4)
Foto: Chad Memmel / www.chanatrek.com

Momento 3 – Caminhada

Machu Picchu por Santa Teresa (6)A caminhada, bom ela é feita seguindo os trilhos do trem, foi o que eu fiz, mas 5 minutos de caminhada os trilhos acabavam… pronto, estava perdido, até que descobri que não são os trilhos da parte de baixo e sim os da parte de cima, isso porque você tem que subir um morro, até que alto e inclinado, para chegar nos trilhos que estão lá em cima, e não tem nenhuma placa de indicação, mas como tem muita gente fazendo essa rota o caminho já deve estar marcado. Chegando na parte de cima você vai caminhar até suas pernas andarem por conta própria, é uma paisagem bem bonita, na beira do Rio Urubamba, mas bem cansativa, até demais, do tipo de caminhada que você anda, anda e anda, mas nunca chega. Nessa parte é bom ter cuidado com trem, afinal, você está caminhando na reta dele e também ficar atento a enchentes, ir em período de chuvas pode ser ruim, o Rio Urubamba enche e cobre o caminho inteiro. Depois de umas 2 horas e meia você finalmente chega a Aguas Calientes e completa seu ciclo de 10 horas viajando que nem um louco. Depois que chegar em Aguas Calientes é só resolver os tramites para subir a Machu Picchu.

Machu Picchu por Santa Teresa (5)
Foto: Leonardo Lima

Momento 4 – A volta

Machu Picchu por Santa Teresa (7)Não achou que era só ir né, tem que voltar também. Nela você  vai fazer todo o caminho de volta pelos trilhos do trem até chegar na hidrelétrica, só de pensar em voltar aquilo tudo da uma preguiça mas a volta é bem mais rápida do que a ida. Quando chegar na hidrelétrica provavelmente não haverá nenhuma van ou carro, isso é quase certeza, pois as vans não esperam ali, no caso você tem que esperar ela trazer alguém e aproveitar para voltar junto. Assim que chegar uma você tem que pegá-la para não ficar ali no meio do nada perdendo tempo, essa van te leva até Santa Teresa ou Santa Maria, vai depender da boa vontade do motorista, mas seu destino final é Santa Maria pois é de lá que saem os transportes para Cusco. Chegando a “rodoviária” de Santa Maria provavelmente você não encontrará nenhum ônibus, pois eles só passam em determinados horários, mas vai haver muitas vans para Cusco e o jeito é voltar de van e lotada de gente. A volta de van normalmente era para demorar o mesmo tanto da ida, cerca de 6 horas, mas eu não sei como os motoristas conseguem estender a volta em até 10 horas, sério mesmo, quando estava voltando achei que não chegaria mais e já ficava enjoado naquelas estradas cheias de curvas. Depois de muitas horas de estrada você finalmente chegará há uma cidade e vai pensar que é Cusco mas não é, acho que eles fazem isso só pra enganar o povo, tem que rodar mais ainda até Cusco, onde geralmente o ponto final é a Plaza de Armas.

Machu Picchu por Santa Teresa (9)
Foto: Leonardo Lima

Resumindo bem é uma rota bem “sofrida” mas que eu não me arrependo nenhum pouco de ter feito e se voltar a Machu Picchu algum dia farei por essa rota novamente.

Machu por Santa Teresa é pra quem se recusou a pagar mais de US$70,00 pra pegar aquele trem sem graça.

Pra quem gosta de aventura e quase morreu do coração a cada abismo, deslizamento e/ou enchente no caminho!

Pra quem andou em vans como essa da foto, que não tinha 1ª marcha nem Ré.

Pra quem empurrou a van pra pegar no tranco.

Pra quem ficou com medo quando vinha um caminhão na estrada de mão única na beira do abismo.

Pra quem pegou Van que demorou mais de 15 horas num percurso que geralmente se gastaria 5 horas.

Pra quem tem história pra contar!

Comente pelo Facebook

comentários

Post anterior

23 sinais de "dromomania" ou vício em viajar!

Próximo post

Eu também Protesto! E você?

94 Comments

  1. JUREMA GOMES FERREIRA
    22 de setembro de 2013 at 16:59 — Responder

    ADOREI A DESCRIÇÃO DE VOCES, MUITO BEM HUMORADA…. EU JÁ FIZ MAS DE TREM, HOJE MEU FILHO TÁ VOLTANDO DESTE MESMO ROTEIRO QUE VOCES FIZERAM ,MUITO LOUCO DA VIDA COM AS TRAMBICAGENS DOS ROTEIRISTAS E VANS … FICARAM ATÉ SEM GASOLINA, MENTIRAM QUANTO À RESERVA DAS HOSPEDAGENS EM ÁGUAS CALIENTES E A ESPREMEÇÃO DENTRO DA VAN ( MEU FILHO MEDE 1,98M IMAGINEM COM 14 PESSOAS ESMAGADAS ALI…E SÓ CONSEGUIRAM CHEGAR DE VOLTA A CUSCO ÀS 22:00 H !!! MAS VALEU O PASSEIO… PARABÉNS A VOCES !!!

    • Leonardo Lima
      22 de setembro de 2013 at 19:53 — Responder

      Entendo bem Jurema, eu meço 1,93 e fiquei esmagado naquela van!! Mas geraram boas histórias depois!

  2. […] Lima, do blog Tô Longe de Casa fez esse percurso doido e contou sua experiência em “Machu Picchu por Santa Teresa” mas ele mesmo admite que foi […]

  3. 14 de outubro de 2013 at 18:59 — Responder

    Fiz mais ou menos esse percurso. A diferença é que fui de van de Cusco até a hidrelétrica, e na volta da hidrelétrica até Cusco. Mas da hidrelétrica até Aguas Calientes fui andando com meu grupo de amigos. Foi uma viagem inesquecível. Paisagem linda, linda, linda. Mas o melhor de tudo mesmo é que na volta saímos mais cedo de Aguas Calientes. A van saía 14h, então saímos de Aguas Calientes por volta das 10h pra poder tomar banho no Rio Urubamba. Sim! Tomamos banho no rio Urubamba. Como fomos agora em agosto, não era período de chuva, então a água tava limpa e muito gostosa. Revigoramos as energias com aquele banho e seguimos de volta. Muito bom. Gostei tanto que farei de novo no fim do ano! 🙂

    • Leonardo Lima
      14 de outubro de 2013 at 19:47 — Responder

      Que demais!! Eu fiquei só na vontade de cair naquele rio, mas o tempo tava muito frio!!

  4. André Figueiredo
    15 de outubro de 2013 at 23:52 — Responder

    Cara, muito bom seu blog e seu relato! To indo agora em dezembro e espero que as chuvas não atrapalhem meu roteiro, pois farei igual a vcs! Só uma pergunta, na caminha da de volta (A.C. até a hidreletrica) vc chegou que horas + ou – na hidreletrica? e que horas saiu de Águas Calientes?
    Vlw e grande abraço!

    Obs.: cara vc poderia deixar esse seu relato econômico sobre como ir a MP no mochileiros.com ,iria ajudar muita gente.

    • Leonardo Lima
      16 de outubro de 2013 at 00:04 — Responder

      Oi André, eu subi a Machu Picchu era umas 5:30 da manhã e depois nem voltei a AC, assim que desci pedi pro motorista do ônibus me deixar no começo da trilha que leva a hidrelétrica, isso era umas 10:20 da manhã, cheguei na hidrelétrica umas 12:30 da tarde!

      Verdade, irei postar lá! Valeu pela dica!

      • André Figueiredo
        16 de outubro de 2013 at 00:07 — Responder

        Vlw mesmo!

    • Vanessa
      16 de outubro de 2013 at 08:28 — Responder

      Oi Léo!

      Muito bom seu relato, irei fazer esse caminho também…só tenho uma dúvida: você não foi até wayna Picchu,???
      Forte abraço!

      • Leonardo Lima
        16 de outubro de 2013 at 12:21 — Responder

        Oi Vanessa! Não fui a Wayna Picchu, quando fui comprar as entradas não tinha mais disponível pra lá! O meu bilhete veio com entradas para Machu Picchu e Mapi Montaña, que pra te falar a verdade eu nem fui e nem sei onde fica!

        • 18 de junho de 2015 at 14:37 — Responder

          Vale a pena subir a montanha de Huayna Picchu proporciona um visual incrível, os tickets são limitados por dia. Recomendo comprar com antecedência.

          Parabens pelo blog, convido a visitar Machu Picchu.

          Abraços.

          [COMENTÁRIO EDITADO PRO CONTER PUBLICIDADE]

  5. […] a dor aliviou, visitei o Deserto de Sal, Deserto do Atacama, Torres del Paine, fiz um trekking a Machu Picchu e ao Fitz Roy ou até mesmo dentro do avião, lugares um tanto que sem infraestrutura para pessoas […]

  6. […] a dor aliviou, visitei o Deserto de Sal, Deserto do Atacama, Torres del Paine, fiz um trekking a Machu Picchu e ao Fitz Roy ou até mesmo dentro do avião, lugares um tanto que sem infraestrutura para pessoas […]

  7. […] já relatei aqui no blog como ir a Machu Picchu gastando pouco e como é a visita a cidade inca, mas ainda não falei como se compra os ingressos pra lá, afinal […]

  8. 10 de dezembro de 2013 at 23:20 — Responder

    […] fazendo a trilha que os antigos Incas faziam, e a 3ª é a forma mochileiro e mais barata de ir (fiz um post exclusivo sobre essa forma) que é pegar um ônibus de Cusco até Santa Maria, de lá pegar uma Van até a Hidrelétrica local […]

  9. Juliana
    22 de janeiro de 2014 at 12:53 — Responder

    olá! muito bom seu blog! eu queria saber se saberia dizer quanto ficou no final por esse trajeto. Obrigada

    • 23 de janeiro de 2014 at 21:17 — Responder

      Oi Juliana, na época não me passou pela cabeça em anotar os valores, mas ficou bem baratinho, o ônibus que sai de Cusco custava menos que R$40,00 e as vans que levam até a hidrelétrica eram na faixa de R$20,00. Mas isso foi em 2011, hoje não sei como andam esses valores!

      • Israel
        14 de fevereiro de 2015 at 14:21 — Responder

        Em qual moeda você pagou as vans? tinha muita dificuldade para troco?

      • Israel
        14 de fevereiro de 2015 at 14:31 — Responder

        Ficou quanto tempo visitando MP? Há como ir de Cusco à Hidrelétrica e AC à noite/madrugada? O caminho inverso dá pra fazer à noite/madrugada?

        • 15 de fevereiro de 2015 at 19:26 — Responder

          Oi Israel! A visita durou cerca de 3 horas. Até onde sei não há como fazer nenhum dos trechos a noite, e eu também não aconselharia, muito perigoso. Sobre o dinheiro, é tudo pago em Nuevo Sol (moeda peruana) e não tem problema com troco! 😉

  10. 23 de março de 2014 at 22:34 — Responder

    […] fazendo a trilha que os antigos Incas faziam, e a 3ª é a forma mochileiro e mais barata de ir (fiz um post exclusivo sobre essa forma) que é pegar um ônibus de Cusco até Santa Maria, de lá pegar uma Van até a Hidrelétrica local […]

  11. viní franco
    26 de março de 2014 at 18:55 — Responder

    Cara, muito legal, parabéns, to indo fazer essa aventura em Outubro. Vc disse que a chegada em Águas Calientes demorou 10 h no total, chegando lá,vc ficou hospedado em qual hotel ? e quanto saiu +o- …

    • 27 de março de 2014 at 22:49 — Responder

      Oi Vini!

      Pois é, fui sem reservar nada, cheguei lá a cidade estava lotada pois era o Centenário de Machu Picchu! Com muito custo e muito cansado eu consegui achar um hotelzinho, se chamava, se não me engano “Angels Hotel”. É bem simples, mas tinha o melhor banheiro de todo o mochilão! Água quentinha! Paguei algo como 30 ou 40 soles peruanos!

  12. 2 de junho de 2014 at 16:42 — Responder

    Olha eu fui a muito tempo lá e optei pelo trem de Cuzco a Aguas Calientes e confesso que gostei muito e pela narrativa do blog essa opção de ida em ônibus e van pode até ser exótica e divertida porém meio puxada, se for de novo um dia, acho que vou de trem mesmo.

    • 2 de junho de 2014 at 17:31 — Responder

      Haha é Mauro, é um caminho puxado, pra quem quer um pouco de aventura! Acho o trem muito parado, gosto de estar em movimento, mas isso vai de cada um, ambos tem seus prós e contras!

  13. Sol
    27 de setembro de 2014 at 15:06 — Responder

    Oi Leonardo, gostaria saber sua opinião sobre duas coisas: dá para fazer essa viagem sozinha? não estou conseguindo ninguém para encarar. A segunda pergunta é : se dezembro (10 ou 15) é boa época para ir?, falo pelas chuvas? Parabéns pela ousadia e pelo relato!

    • 27 de setembro de 2014 at 15:21 — Responder

      Oi Sol! Dá pra ir sozinha sim, até porque muitas pessoas fazem essa rota, então dependendo do dia e da hora a trilha vai estar cheia. E só ficar a tenta a tudo. Em relação a Dezembro, é meio tenso, pois quando chove aquele rio sobe e cobre todas as trilhas, nem o trêm consegue passar. Se for sozinha aconselho a fazer esse trecho fora da época de chuvas!

  14. 5 de outubro de 2014 at 18:40 — Responder

    […] fazendo a trilha que os antigos Incas faziam, e a 3ª é a forma mochileiro e mais barata de ir (fiz um post exclusivo sobre essa forma) que é pegar um ônibus de Cusco até Santa Maria, de lá pegar uma Van até a Hidrelétrica local […]

  15. 30 de outubro de 2014 at 17:02 — Responder

    Meu amigo, muito bom o relato, estou indo em março de moto em viagem totalmente solo e esse trecho é o que vou fazer, alguns amigos já fizeram e relataram paisagens maravilhosas.
    ótimo blog.
    abraço

    • 31 de outubro de 2014 at 12:11 — Responder

      Obrigado Paulo! Realmente as paisagens são lindas!! Aproveite bastante, boa viagem!

  16. Juan
    23 de novembro de 2014 at 23:15 — Responder

    Olá, estou indo agora em março com meus amigos, e gostaria de saber quanto tempo ao total durou essa peregrinação haha. Que horas você saiu de cusco? Que horas chegou na hidreletrica. Como vamos com pouco dinheiro, estamos pensando em optar por essa rota root

    • 24 de novembro de 2014 at 00:18 — Responder

      Fala Juan, tudo bem? Então, saímos de Cusco umas 7h30 da manhã, chegamos na hidrelétrica uma 16h00 mais ou menos e por fim em Águas Calientes as 19h00. Vai praticamente um dia todo essa viagem, bem cansativa, mas vale a economia. Fique atento a época do ano, março é período de chuvas e a trilha depois da hidrelétrica é quase toda nas margens do rio e quando chove o rio fica bruto! Depois dá um Google Imagens em “Rio Urubamba Chuva” ou “Río Urubamba Fuerte”, as imagens são de dar medo!

  17. Tyciane
    7 de dezembro de 2014 at 16:16 — Responder

    Oiii Leonardo!!! Tudo bem? Amei seus relatos e seu blog!!!!
    Anotei todas as dicas!!!
    Só queria tirar um dúvida, você não chegou a dormir em águas calientes??? Voltou por esse caminho no mesmo dia?? :O

    • 7 de dezembro de 2014 at 16:29 — Responder

      Oi Tyciane! Então, eu fiz esse caminho e dormi em Águas Calientes por 2 noites, depois voltei pelo mesmo caminho. Impossível de fazer tudo e voltar no mesmo dia! 😉

  18. 14 de dezembro de 2014 at 02:00 — Responder

    Show de bola seu post Leonardo. Vou fazer este mesmo caminho agora em janeiro de 2015, espero chegar antes do parque fechar em fevereiro. Vou mochilar de carona por Brasil, Bolívia, Peru, Chile e Argentina, com muita disposição e pouquíssimo dinheiro. kkk. Se puder siga minha página no facebook: ExPÉrience América do Sul: https://www.facebook.com/mochilandouai?ref=hl , vou tentar postar informações úteis pra galera que faz mochilão com pouca grana. Valeu e um grande abraço.

    • 15 de dezembro de 2014 at 01:22 — Responder

      Muito bacana Glaydson! Será uma aventura e tanto hein! Aproveite bem, aquela região é linda e vale a penas conhecer! Pode deixar que eu vou acompanhar a sua página sim!! Abs!

  19. 5 de fevereiro de 2015 at 20:41 — Responder

    Olá gente!
    Primeiramente parabenizo pelo trabalho que fiz em ajudar aos brasileiros que desejem conhecer Machu Picchu, quem escreve é um amante da cultura brasileira e graças a deus já teve a sorte de morar no Brasil por um bom tempo, agora voltei ao Peru – Cusco para mostrar a todos os brasileiros que desejem conhecer a terra dos incas.
    Se alguém deseja algumas dicas e recomendações pra a sua viagem, sera tudo um prazer ajuda-los em realizar o sonho de conhecer Machu Picchu Cusco, Lima, Lago titicaca, Arequipa, Nazca, Paracas, Puno, Trujillo e outros destinos que ainda não foram explorados pelo brasileiros.

    [COMENTÁRIO EDITADO POR CONTER PROPAGANDA]

  20. Don Roberto
    21 de fevereiro de 2015 at 21:36 — Responder

    Fiz ese paseio com minha filha de 15 anos, foi demais inesquecível!

    • 23 de fevereiro de 2015 at 07:46 — Responder

      Realmente Roberto, o lugar tem uma energia incrível! É para ficar na memória para sempre!

  21. 5 de março de 2015 at 20:46 — Responder

    Machu Picchu é simplesmente a atração número um do Peru e talvez da própria América Andina. Desde que a descoberta científica da cidadela inca foi anunciada pelo historiador americano Hiram Bingham em 1911, sua complexa e misteriosa arquitetura encastelada num cenário montanhoso dramático vem atraindo turistas de todo o mundo. sera um prazer compartilhar as nossas dicas.

  22. Taynã
    22 de março de 2015 at 22:50 — Responder

    Depois de todo esse relato, me resta uma dúvida: vc fez isso com um mochilão? Me interessei bastante por esse trajeto alternativo e econômico, mas não me imagino andando por muitas horas com um mochilão. Não há uma opção de deixar trancado em algum hostel pelo caminho?

    • 23 de março de 2015 at 20:37 — Responder

      Oi Taynã! Eu deixei o mochilão guardado no depósito de um albergue em Cusco e levei apenas minha mochila pequena, até pq seria difícil demais carregar tudo pra lá. Leve apenas o essencial. 😉

  23. Nina
    13 de abril de 2015 at 20:50 — Responder

    Eu não acredito! SABIAAA que devia ter uma rota alternativaaa!!!
    Acabei comprando ontem as passagens de trem, mas como ficarei 1 mês em Cusco, CERTEZA que farei essa rota depois! <3

    • 14 de abril de 2015 at 16:33 — Responder

      Pois é Nina! Pode ser um pouco cansativo, mas é a forma mais barata! Ainda não virou negócio!

  24. Samarone Antunes
    28 de maio de 2015 at 01:12 — Responder

    Leonardo, farei sozinho em julho a viagem de Ônibus de São Paulo a Cusco pela Expresso Ormenõ, que por si já será uma aventura, e com certeza farei este roteiro pela Hidrelétrica, muito obrigado pelas dicas, lendo seus relatos senti muito mais confiança para encarar esta viagem!

    • 28 de maio de 2015 at 08:43 — Responder

      Oi Samarone! Ah que demais, de Sampa pra Cusco será uma aventura e tanto! Vai lá e aproveita, depois me conta aqui como foi! 😉

      • Samarone Antunes
        30 de julho de 2015 at 14:37 — Responder

        Oi Leonardo, voltei! Amei a viagem, foi tudo maravilhoso, acabei não indo de ônibus de Sampa, apareceu outra oportunidade via Campo Grande e Corumba, então fui no Trem da Morte, que não merece este nome, ate Sta. Cruz de la Sierra, de lá fui de ônibus para La Paz, onde fiz o Downhill de Bike na Death Road, depois só passei por Copacabana em direção a Puno onde visitei as Ilhas Flotantes de Uros e peguei outro ônibus para Cuzco, onde fiquei uma semana passeando, inclusive Machu-Picchu via Hidrelétrica, de Cuzco peguei o tal ônibus para São Paulo só que parei em Cuiabá para visitar um amigo e conhecer a Chapada dos Guimarães, todo o meu passeio ficou em U$ 1000,00, incluindo presentes variados e me alimentando muito bem em Cuzco. Quem tem receio dos custos deste tipo de viagem, não precisa ficar preocupado, basta escolher bem o roteiro que te atenda da melhor forma, mas dou algumas dicas, ir pela Bolívia é sem duvida a forma mais barata, pra se ter uma ideia o Trem da divisa com o Brasil e os ônibus ate La Paz – Copacabana – Puno me custaram U$ 36,00, isso mesmo, trinta e seis dólares para atravessar a Bolívia do Brasil ate o Peru, o ônibus de Puno para Cuzco pela Cruz del Sur, que é uma das melhores, foi S/ 50,00, quase U$ 16,00. Alimentação e hospedagem é uma coisa de gosto pessoal, eu por exemplo gosto de comer muito bem, mas durmo em qualquer lugar, então gastei muito pouco com Hostels e muito com comidas. Foi uma viagem sensacional, quem tem receio, pode confiar, você será bem recebido por onde passar e não te explorarão como em alguns locais turísticos do Brasil. Abraços!

  25. 29 de maio de 2015 at 11:03 — Responder

    […] Nós pesquisamos bastante sobre Machu Picchu (o passeio mais caro da viagem) e chegamos a conclusão que dava para ir por conta. Porém como não tínhamos tempo, pagamos caro no trem. Mesmo assim, saiu mais barato que contratando uma agência. Mas se você tiver tempo você pode economizar ainda mais: fazendo uma trilha ou indo de ônibus e depois caminhando. […]

  26. Luciana
    29 de maio de 2015 at 13:18 — Responder

    Ei, Leonardo!
    Irei a Machu Picchu no início de setembro e não to muito animada de pagar as passagens de trem, e essa caminhada pareceu bem interessante 🙂
    Tenho intenção de ir basicamente da forma como vc foi (talvez indo só de van, ao invés de van e ônibus. Será que há essa opção?). Mas quanto ao retorno pra Cusco, sabe se é possível uma forma mais em conta que a de trem e que não precise fazer a caminhada de volta?

    Parabéns pelo blog e obrigada pelo relato!

    • 29 de maio de 2015 at 14:46 — Responder

      Oi Luciana! Então, deve ter como ir de van sim, mas dai tem que buscar de onde é que elas saem. Eu mesmo não conheço.
      Para voltar é praticamente a mesma coisa da ida, só que ao inverso. Não tem como fugir da caminhada, se quiser economizar vai ter que andar, é a vida! srsr

  27. dramarielarodrigues_odonto@hotmail.com
    30 de maio de 2015 at 11:32 — Responder

    Oi, to querendo fazer este trecho em agost/2015, seria possivel sair de ollanta, e de la santa maria e então santa tereza, pegar as tirolesas e finalizar a pe pra aguas calientes tudo num mesmo dia.?
    Tipo sair de ollan bem cedinho e chegar em santa tereza na hora do almoço, pegar tirolesas COLA DE MONO, e finalizar o resto a pé até AC?

    • 30 de maio de 2015 at 20:32 — Responder

      Oi! então, tem como sair de Ollantaytambo sim, mas dai tem que saber de que lugar lá as vans ou o ônibus parte para Santa Maria ou Santa Tereza. Com relação a tirolesa eu não sei pq não fiz! 😉

  28. 25 de junho de 2015 at 14:54 — Responder

    Adorei seu post, Leo! Super explicadinho! Vou recomendar pros meus leitores com certeza 🙂
    Beijos e parabéns pelo blog!

  29. Artur Magno
    28 de junho de 2015 at 21:33 — Responder

    Olá Leonardo, estarei numa mochilada em agosto passando por Bolívia e Peru,
    Irei com dinheiro muito contado, então em virtude do trem já tinha até tirado machu picchu do roteiro, mas agora voltou
    graças ao teu blog,
    podes me enviar mais ou menos o preço que gastaste em soles na época da viagem.
    Agradeceria bastante.
    e já agradeço e parabenizo pela postagem,
    Obrigado!

    • 29 de junho de 2015 at 04:38 — Responder

      Oi Artur! Então, na época eu não tinha blog e nem me passou pela cabeça guardar os preços, mas eu lembro que foi bem barato, na época devo ter gasto uns 70 soles no trecho entre Cusco e Aguas Calientes, porém vale lembrar que estamos falando dos preços de 2011, hoje com certeza deve ter ficado um pouco mais salgado. 😉

    • Samarone Antunes
      30 de junho de 2015 at 09:44 — Responder

      Oi Artur, estou indo agora no inicio de julho, posso postar valores o mais rápido possível para te ajudar, farei a viagem sozinho registrando tudo em um diário, se nosso amigo Leonardo permitir podemos ate atualizar o post!

      • 30 de junho de 2015 at 10:35 — Responder

        Olá Samarone!! Nossa, se você puder compartilhar os valores para atualizar será muito bom! 😉

        • Samarone Antunes
          30 de julho de 2015 at 13:45 — Responder

          Ola, Leonardo e Artur, ainda bem que no Peru os preços se mantem por longos períodos, os valores estão praticamente iguais aos de quando você viajou, só que atualmente o Nuevo Sol esta cotado em 1 para 1 com o Real, o que torna ainda mais válido que se leve U$$ Dolares para a viagem, alem de ser aceito em qualquer lugar de Cuzco esta cotado em S/3,75 por U$ 1,00. Abraços!

          • Samarone Antunes
            30 de julho de 2015 at 14:41

            Me desculpem o erro grosseiro da cotação do Nuevo Sol, estava S/ 3,15 por U$ 1,00.

          • Kellen
            10 de agosto de 2015 at 15:29

            Ola Samarone,

            Obrigada, ajudou muito… se poder me ajudar, onde você fez a troca do Dolar pelo Soles?

          • Samarone Antunes
            11 de agosto de 2015 at 09:38

            Ola, Kellen!

            Eu sempre trocava um pouco de dólares assim que entrava na fronteira, mas percebi que adentrando os países a cotação melhora, por ex. em La Paz foi melhor que Porto Quijarro e Sta. Cruz, em Cusco foi melhor que Puno, existem varias lojas que realizam o cambio, desde farmácias a lojas oficiais é só pesquisar quem ta pagando melhor, uma dica importante, eles só aceitam notas novinhas, aqui no brasil consegui a melhor taxa e notas novíssimas na Caixa Econômica.

            Abraços e boa viagem!

    • Kellen
      10 de agosto de 2015 at 15:34 — Responder

      Ola, Artur Magno….

      Vou esta no em Lima dia 15 agora, quem sabe a gente não se esbarre por la.

      Abraco.

  30. roberto franco
    7 de julho de 2015 at 13:51 — Responder

    Leonardo, vou com minha esposa e mais dois amigos e não ia mesmo pra AC, por conta dos dólares e do tipo do trem.Mas vi seu relato e penso que indo de van ate a hidreeletrica e la fazer a caminhada a gente aproveita mais a região além de gastar pouco o que sobra pra outras bandas la do Peru, né mesmo? Seu relato é que motivou a gente e oia que nois já tamo nas faixa de 60 e 50…mas sempre andamos por ai…um abração meu cuimpadi…

    • 7 de julho de 2015 at 15:22 — Responder

      Oi Roberto! Essa rota é bem econômica mesmo, mas saiba que é bem cansativa também. Acho que o que cansa mais não é nem a parte da caminhada, mas o trecho de ônibus e van.. pois parece que não chega nunca! Mas vai lá e aproveitem!

  31. Samarone Antunes
    30 de julho de 2015 at 13:31 — Responder

    Ola pessoal! Cheguei recentemente de Machu-Picchu, e graças às dicas e relatos do Leonardo, foi tudo ótimo, com a permissão do Leonardo, gostaria de atualizar algumas informações, esta Rota da Hidrelétrica, já é algo comum, tem muita gente usando ela, seja pelos valores reduzidos, ou seja pelo passeio em si que é bonito e tranquilo, todas as agencias de viagens de Cuzco já oferecem a Rota da Hidrelétrica como mais uma opção, por um lado ficou mais fácil, por outro se for como eu que fui na alta temporada, fica ate difícil achar uma Van que te leve direto de Cuzco ate a Hidrelétrica, pois praticamente todas já estão reservadas pelas agencias, tive de contratar a Van via agencia, como quase tudo em Cuzco, vale a negociação, começaram pedindo U$ 130,00 dólares pelo roteiro completo de 2 dias, com ingresso, hospedagem em Águas Calientes com café da manha, almoço na ida em Santa Teresa, a Van te deixa na Hidrelétrica em um dia e te pega de volta no dia seguinte, como eu já tinha o ingresso e reserva em Águas Calientes, precisava somente da Van, que me custou S/ 80,00 Soles ida e volta, creio que em baixa temporada deve ser um pouco mais barato alem de poder achar e negociar direto com as Vans, ainda tem a opção relatada pelo Leonardo que seria ir de ônibus ate Santa Teresa que pode sair ainda mais em conta. Na Hidrelétrica tem muito comercio, aproveite para se abastecer de água e ou alimentos pois dependendo de suas condições físicas o passeio pode levar de 2 a 3 horas, a caminhada é muito tranqüila, são aproximadamente 12 km margeando a linha do trem com pouquíssima inclinação, tinha muitas pessoas de idades variadas na trilha, só tem placas no inicio, mas não tem erro basta seguir a linha do trem, no finalzinho, km 11 aproximadamente, tem uma opção a direita que sai da linha do trem e pega uma estradinha, não tem como errar, alem de que o transito de pessoas locais e alto, cruzei com nativos fazendo caminhada e ate correndo, quem precisa economizar e gosta de aventura este é o caminho recomendado e a cada dia que passa com mais facilidades sem perder as características originais. Um grande abraço a todos e principalmente ao Leonardo, que com seu relato me incentivou muito a realizar esta viagem dos meus sonhos!

    • 30 de julho de 2015 at 19:04 — Responder

      Olá Samarone! Que bom que deu tudo certo, fico muito feliz e contente por saber como anda a situação lá daquelas bandas. Infelizmente as agências tiram proveito da hidrelétrica cobrando absurdos, mas por outro lado ainda há como ir por conta própria e economizar! Obrigado pelas atualizações! 😉

    • BRUNO
      15 de fevereiro de 2016 at 20:56 — Responder

      Olá SAMARONE, estarei indo agora no dia 01/04/2016 e gostei do seu relato e gostaria de elogiar o Leonardo pela iniciativa.Samarone pretendo fazer a rota hidroelétrica com mais duas meninas e gostaria de saber aonde vc conseguiu essa van que sai direto de cusco para hidroeletrica… e quanto as mochilas o Leonardo postou lá atras que deixou em um guarda volume em algum local , voce fez o mesmo ou foi com elas…

      • Samarone
        18 de fevereiro de 2016 at 07:56 — Responder

        Ola Bruno, contratei a Van através de uma agencia, a maioria tem o Pacote via Hidrelétrica, basta negociar somente a Van ou o que vc tiver interesse, acho mais seguro que negociar diretamente nas ruas, a que eu fui parou para almoço em Sta. Teresa, o que fez que chegássemos á noite perdendo parte do visual do passeio, na minha próxima viagem a Machu Picchu, vou dormir em Sta. Teresa, ir cedo para a Hidrelétrica e usar o restante do dia para passeio em Águas Calientes. Fiquei no Hostel Pumacurco na Calle Ladrillos, como iria voltar e ficar mais uns dias, não cobraram para guardar a mochila.

  32. mario
    29 de agosto de 2015 at 11:19 — Responder

    No tempo dos incas não existia trem e fizeram todos esses percursos. Hoje é mamata. Prá mim é tudo luxo. Me diverti pra caramba.

    • 29 de agosto de 2015 at 20:02 — Responder

      Verdade Mario!! Prefiro o método sem luxo! haha 😉

  33. Daniele Silveira
    28 de dezembro de 2015 at 07:47 — Responder

    Olá Léo !!

    Que legal sua postagem ! Parabens !

    Estarei em cusco durante uma semana em janeiro , veja se voce pode me ajudar .. que horário voce saiu de cusco para chegar ate santa maria ? Qual foi este tempo todo de duração ate chegar a Machu Picchu . Voce sabe se tem alguma van ou taxi que ja leve direto ate essa trilha a Machu Picchu ? Obrigada pela ajuda !

    • 28 de dezembro de 2015 at 22:09 — Responder

      Oi Daniele! Então, me lembro que sai bem cedinho mesmo, algo como 6 ou 7 da manhã. De Cusco não há táxis direto, apenas se você fretar um, que deve sair um pouco caro. Bom, como citei na postagem, o tempo total pode ser entre 8 a 10 horas de Cusco até Aguas Calientes.. apenas subi a Machu Picchu no dia seguinte, então não tenho como somar esse trajeto hahah! 😉

      • Daniele
        31 de dezembro de 2015 at 09:26 — Responder

        Entendi ! Outra perguntinha .. Hahaha vc sabe dizer se la eles vendem os ingressos e pacote para machu picchu nas agencias ? Porqe estou em duvida se compro antes a entrada para o machu picchu. Voce ficou em qual hostel ? Desculpa as mil perguntas ! ? É q estaremos em um mochilao … E to meio perdida ! Hahahha

        • 1 de janeiro de 2016 at 14:15 — Responder

          Os pacotes vendem nas agências em Cusco, o que já é incluso transporte e em alguns casos acomodação em Aguas Calientes. Caso você queira comprar apenas a entrada de Machu Picchu (deixando o transporte por sua conta) você fará isso também em Cusco onde há um centros de informações turísticas próprios que vendem as entradas podendo pagar no cartão ou em dinheiro. Em cusco fiquei no Hostel Resbalosa e em Aguas Calientes fiquei em um hotelzinho chamado Angels! 😉

  34. Daniele
    3 de fevereiro de 2016 at 10:53 — Responder

    Olá Léo … estou voltando de Cusco .. Algumas informações interessantes e atualizadas :para os próximos viajantes :

    – Recomendo procurar pacotes a machu picchu lá em Cusco, na Plaza de las Armas, pois lá existem muitas agencias e uma cobre o preço da outra .. vale a pena pechinchar !

    – Conseguimos por 95 soles por pessoa a ida ate a Hidrelétrica, de Van , que demorou umas 8h e durante o trajeto parou em um restaurante onde pagamos 15 soles (em torno de 20 reais) o almoço.Incluso também uma noite no hotel com cafe da manhã.

    – Apos a van , teve uma caminhada de mais ou menos 2 horas , pelo trilho do trem, que dava acesso a então cidade de Aguas Calientes .

    No dia seguinte :
    – Para subir a Machu Picchu voce pode subir de onibus , custa 25 DOLARES ! :O subida e descida .. ou a pé ( Aviso : Uma subida muito íngreme e pessada ! )

    – Quando retornamos de Aguas Calientes, optamos pelo Trem ( AVISO 2 : Quando comprado na hora , o trem é muuuuito mais barato! ) Paguei 155 soles ( uns 170 reais hoje) ;

    – O trem nos levou ate Ollantaytambo, pegamos uma van a 10 soles por pessoa ( uns 15 reais) e voltamos ate Cusco .

    • 6 de fevereiro de 2016 at 21:32 — Responder

      Olá Daniele! Muito obrigado pelas atualizações! 😉

  35. BRUNO
    15 de fevereiro de 2016 at 21:00 — Responder

    Olá Leonardo gostaria de saber se você fez a trilha com mochilões e caso não tenha feito, qual local vocÇe deixou os mochilões… e outra coisa como vocÇe chegou ao Terminal Terrestre , foi dificil encontra ele…
    adorei suas dicas .. parabéns ,,
    estarei indo no dia 01/04/2016 começo pelo Peru cruzo Bolívia pelo Salar e termino no Atacama , do Atacama pego um bus e vou pra Santiago e de lá volto pro Brasil…..esse período de abril tem algum problema com chuvas e mau tempo….

    • 17 de fevereiro de 2016 at 20:13 — Responder

      Bruno, eu deixei minha mochila cargueira no hostel em Cusco e fui apenas com uma pequena. Para o terminal foi fácil, fui de táxi, que é super barato por lá, coisa de centavos. Em algumas partes pode ser que esteja chovendo, mas o clima hoje em dia está imprevisível.

      • BRUNO
        17 de fevereiro de 2016 at 20:32 — Responder

        É NECESSÁRIO PAGAR A HOSPEDAGEM NO HOSTEL PARA DEIXAR O MOCHILÃO, OU ELES TEM ESSE SERVIÇO DISPONÍVEL E QUAL HOSTEL VOCÊ DEIXOU..

  36. Juliano Salerno
    8 de março de 2016 at 17:21 — Responder

    Os comentários do To longe de Casa, são sempre muito úteis em minhas viagens.

    [COMENTÁRIO EDITADO POR CONTER PROPAGANDA]

    Conhecer Machu Picchu foi um sonho realizado, uma vista inacreditável e uma aula de história ao vivo, que todos deveriam desfrutar.

  37. Ana Mesquita
    10 de março de 2016 at 11:33 — Responder

    Oi, Leonardo.
    Me tira uma dúvida?
    Vocês saíram de Machu Picchu e dormiram mais uma noite em Aguas Calientes (e só voltaram para Cusco no outro dia)? Ou iniciaram a volta à Cusco já no mesmo dia?

    Abraços,
    Ana.

    • 13 de março de 2016 at 16:18 — Responder

      Oi Ana, tudo bem?
      Então, nós dormimos em Aguas Calientes 2 noites. No último dias subimos em MP e depois fomos direto para Cusco!

  38. Kelly
    4 de abril de 2016 at 22:21 — Responder

    Oi Leonardo, gostei muito da sua experiência e de seu espírito animador. Estou indo em Maio fazer a visita em Cusco – Macchu Picchu, gostaria muito de fazer esta trilha da Hidrelétrica até Águas Calientes, mas vou com uma amiga que ouviu relatos de outros que esta caminhada é perigosa e até morreu pessoas nos trilhos… Segunda sua visão é tão arriscado assim?
    Grata!!!

    • 5 de abril de 2016 at 07:47 — Responder

      Oi Kelly! Então, depende muito, eu pessoalmente não achei tão perigoso assim. Se a pessoa seguir o caminho certo, atravessar nas pontes nos lugares certos é tudo muito tranquilo. Mas há um porém, as épocas de chuvas (trombas d’agua). A trilha segue nas margens do rio Urubamba, muito bonito, mas você não vai querer ver esse rio cheio. Ele cobre quase toda a trilha inclusive os trilhos do trem (todos são cancelados), sem falar dos riscos de desmoronamento. Então assim, se você for na época de chuvas é só ter cuidado.

    • Jorge
      9 de abril de 2016 at 21:55 — Responder

      Olá Kelly, td bem? Tb quero ir pela hidrelétrica, mas só em agosto… pode me add para depois me passar seus relatos? jorgeaguedes@hotmail.com… face Jorge Guedes… o relato do Léo ta me ajudando muito e já me decidi.
      abçs

  39. Igor
    3 de junho de 2016 at 12:26 — Responder

    Oi pessoal estou com algumas dúvidas…
    Estou me programando para ir a MP em setembro, então vamos lá!
    Perguntas:
    1- setembro é um bom mês? Vou lá pelo dia 15
    2- pretendo ficar 6 dias, é um bom tempo?
    3-estava lendo os relato, reparei que eu
    2 ou 3, parece que as pessoas pernoitam em um hotel antes da hidro eletrica, isso é válido?
    4- tem como sair direto de Cusco bem cedo e chegar no mesmo dia em águas calientes?
    5- se sair bem cedo de Cusco chega mais o menos que horas na hidroelétrica? Anoitece mt cedo por lá?
    6- quanto vcs acham que gasta de alimentação nesses 6 dias para 2 pessoas?
    Obrigado a todos que me ajudar, e desculpe por esse monte de perguntas…

    • 3 de junho de 2016 at 18:53 — Responder

      Olá Igor! Vou responder ao meu ponto de vista pois não sei bem como andam as coisas por lá atualmente!

      1- Setembro é um bom mês sim.
      2- Apenas em Aguas Calientes é muito, mas se for combinar com Cusco é de boa.
      3- Não precisa dormir lá, apenas se quiser.
      4- Tem sim, mas você vai chegar a noite.
      5- Eu sai as 7 da manhã e cheguei lá pelas 6 da tarde ou 7 da noite.
      6- Isso é relativo, vai depender de onde vc quer comer.

  40. Igor
    3 de junho de 2016 at 23:13 — Responder

    Leonardo obrigado pelas resposta, só a última dúvida, 7 horas da noite que vc chegou a MP JÁ ESTAVA BEM ESCURO? A hora que chega no começo da trilha, dá para chegar ainda com o seu claro?
    Não é perigoso?

  41. FABIOLA
    17 de agosto de 2016 at 11:23 — Responder

    OLÁ! VOU A MP DAQUI A UM MES COM MEU NAMORADO. PRETENDEMOS FAZER A ROTA PELA HIDRELÉTRICA. SABE ME DIZER SE É POSSIVEL FAZER ESSA ROTA APÓS O PASSEIO AO VALE SAGRADO, PARANDO EM OLLANTAYTOMBO E SEGUINDO DE LÁ PARA SANTA MARIA. SE DARIA TEMPO E NÃO FICARIA CANSATIVO. AGRADEÇO DESDE JA E ADOREI AS SUAS INFORMAÇÕES!

    • 17 de agosto de 2016 at 15:17 — Responder

      Oi Fabiola! Eu recomendo tirar um dia inteiro e ir direto… essa rota toma muito o tempo e qualquer parada vai te fazer chegar mais e mais tarde em Aguas Calientes. 😉

  42. EIMI
    29 de setembro de 2017 at 21:54 — Responder

    Bom dia, Leonardo. Seu post é muito interessante. Chegar a Machu Picchu por outra rota eu realmente não sabia. Vou ao Peru em novembro, porém vou fazer a rota do Caminho Inca 4 dias. Contratei este tour com esta agência [EDITADO POR CONTER PUBLICIDADE] que me parece ótima. Acredito voltar ao Peru com mais amigos em 2018 entre os meses de junho e julho e adoraria ir por Santa Teresa, mas tenho uma dúvida: há restaurantes pelo caminho?

    Obrigado pela informação, Leonardo.

    • 3 de outubro de 2017 at 18:35 — Responder

      Olá Eimi, tudo bem?
      Então, não há restaurante pelo caminho. Esse trecho por Santa Teresa na verdade é o final da trilha Inca, todos que começam a trilha Inca de 4 dias terminam na entrada da hidreletrica e caminham até Aguas Calientes. =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *