0
Shares
Pinterest Google+

Ah o Goiás, uma das regiões deste Brasil com muitas belezas naturais, dentre elas estão as Cachoeiras da Reserva do Indaiá. O lugar leva esse nome devido as várias Palmeiras Indaiá existentes na região, o que também originou o nome da Água Mineral Indaiá produzida naquela região.

Onde fica a Reserva do Indaiá?

A reserva dica localizada há uns 80 a 100 km de Brasília. Deve se pegar a BR020 rumo a cidade de Formosa, antes de chegar a cidade há um trevo e nesse trevo você pega a GO118 no sentido a cidade de São Gabriel, dali você segue uns 10km até outro trevo onde você deve virar para a direita e em seguida na primeira a esquerda onde haverá uma placa escrito “Camping Club do Brasil (CCB). Seguindo direto chega-se à entrada da Fazenda Indaiá, onde se paga uma pequena taxa de visitação, o valor é de R$15,00.

O hiking na Reserva do Indaiá

Logo na entrada existe um simples estacionamento e uma pequena estrutura para quem não quer seguir trilha abaixo e ver as grandes cachoeiras, que não foi nosso caso. Do estacionamento até a primeira cachoeira são cerca de 800 metros em um caminho bem desnivelado, ali nós chegamos numa escadaria bem grandona, ela é de pedra e bem inclinada, descendo-a você chega lá. A primeira queda tem cerca de 15 metros de altura com um belo poço para nadar em frente a ela.

Ali é um ponto de parada, pode-se descansar um pouco ou ficar a tarde toda. Atravessando o poço para o outro lado nós temos o inicio da trilha que nos leva até o Parque do Itiquira, aonde há uma cachoeira de 169 metros de altura, mas o caminho até lá não é mole, são subidas e decidas por caminhos abertos e fechados, alguns com muita água no meio, outros já bem secos. No caminho existem várias nascentes naturais, aonde podemos encher nossas garrafas de água caso estejam vazias, descansar um pouco e comer algo. É sempre é bom levar algum sanduíche natural, barras de cereal e energético para esse tipo de programa, principalmente sobe o sol escaldante do planalto central, a trilha corta bem o cerrado e apesar de seguir sempre as margens do rio, em dias de sol faz muito calor.

Depois de mais ou menos 1h30m de caminhada e de passar por diversas outras cachoeiras menores pelo caminho, chegamos a 2ª maior cachoeira da trilha, ela é conhecida como “Cachoeira Véu de Noiva” e tem aproximadamente 30 metros de altura, ótima para prática de rapel e muitos aventureiros em tempo de seca do rio vão pra lá realizar a prática deste esporte. A descida de rapel é feita por dentro da água e deve ser realizada por grupos com maior experiência, não é pra qualquer um. Na minha opinião, a “Véu de Noiva” é a mais bonita da região do Indaiá, e o legal é que tem como chegar pertinho dela, lá tem várias pedras grandes aonde você pode andar tranquilamente sem perigo de cair, mas claro, sempre tomando cuidado, pois aonde tem pedra, tem lodo.

Depois de mais alguns minutos nós finalmente chegamos no “final da trilha”, isso significa que saímos da Reserva do Indaiá e chegamos ao Parque do Itiquira, e isso você nota quando percebe que está no topo da Cachoeira do Itiquira, com 169 metros de altura. De lá há uma outra trilha de 2 horas que leva até sua base, mas nós não fomos nela. Lá em cima além da grande cachoeira há um poço médio com águas tranquilas aonde é possível nadar e se refrescar, porque água de cachoeira é bem gelada e também há uma outra cachoeira de tamanho médio, dá pra ficar bem debaixo dela se refrescando também. Já na Cachoeira do Itiquira, a maior, é possível chegar bem na beirada, isso porque as pedras que tem lá em cima formam um tipo de barricada, elas são inclinadas pra cima e você pode sentar ou deitar e ficar olhando tranquilamente lá pra baixo no Parque do Itiquira, aonde há um centro de visitações.

Ao todo, do estacionamento até o topo do Itiquira são cerca de 8 km ida e volta e o tempo gasto nesse percurso é de mais ou menos umas 2 horas e meia a 3 horas de caminhada. Vale lembrar também que o nível de dificuldade da trilha é médio, mas mesmo assim não vá achando que é moleza, a não ser que queira ir e voltar e ficar com as pernas doloridas por 1 ou 2 semanas, antes de ir é bom fazer algumas caminhadas para relaxar os músculos da perna e sempre fazer alongamento. Fora isso, aproveite, é um lindo lugar.

Comente pelo Facebook

comentários

Post anterior

A caminhada de Christoph Rehage!

Próximo post

A vida em uma Kombi!

5 Comments

  1. Luiz
    23 de maio de 2013 at 22:19 — Responder

    meu querido muito bacana o post. Vc tem o tracklog desta trekkink? Estou querendo fazer nesta epoca porque acredito que o nível de agua já baixou um pouco… to certo?

    • Tô Longe de Casa
      2 de junho de 2013 at 13:05 — Responder

      Olá Luíz, desculpe pela demora.

      Bom o tracklog até a entrada do parque eu não tenho, até porque não tenho GPS e o Google Maps não encontra o ponto exato, mas consigo essa rota saindo da rodoviária de Brasília essa aqui http://goo.gl/69hJ3 nela você vai até a GO-118 onde encontrará um trevo e deve seguir a direita por uns 2km e meio e logo entrar a esquerda onde seguirá reto por quase 8km até a entrada do parque do Indaiá.

      Espero ter ajudado, qualquer coisa pode entrar em contato comigo!

  2. Tatiana
    15 de fevereiro de 2015 at 13:52 — Responder

    Olá Leonardo, tudo bem? Adorei seu blog! Eu e meu marido fomos conhecer as cachoeiras de Indaiá no início do mês, mas não tinha nenhuma sinalização e nem nos deram informações na entrada da fazenda. Não sabia que tinha uma trilha do outro lado do rio, por isso seguimos por cima, numa trilha sem sombra e longe da água. Quase fritamos no sol e só conseguimos chegar na Véu de Noiva (acesso pela escada de madeira bem íngreme, que chega no poço e não no topo da cachoeira). Onde exatamente que se atravessa o poço para fazer a trilha que vai beirando o rio? Tem mais sombra nesta trilha? Desde já agradeço!

    • 15 de fevereiro de 2015 at 19:31 — Responder

      Oi Tatiana! Pois é, as trilhas lá não são demarcadas com placas, apenas com os rastros. Assim que se chega no estacionamento você faz uma trilha de uns 5 ou 8 minutos até a primeira cachoeira, onde tem um poço bem grandão (segunda foto), é ali que tem que atravessar o rio e seguir a trilha que é beirando por ele. Ela tem bastante sombra e só fica mais aberta ao sol um pouco antes de chegar ao Véu de Noiva até o Itiquira. O começo dessa trilha não tem muita demarcação, quando fui pela primeira vez também quase não achei, mas ela está ali! srsr

  3. 24 de abril de 2018 at 20:22 — Responder

    Fui pesquisar sobre Terra Ronca em Goiás, acabei parando aqui, Leonardo! Como apareceram algumas cachoeiras em minha pesquisa, me deslocou até Formosa… kkkkk Curti muito. Tenho uma página no Facebook, chamada I Love Brazil, de uma olhada e espero que curta. O link é https://www.facebook.com/ilovebrazil.br/
    Abração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *